sexta-feira, 29 de março de 2013

Fonógrafo

   O historiador Ary Vasconcelos divide a música popular brasileira em três períodos: Música Popular Brasileira da Colônia, Música Popular Brasileira do Império, e Música Popular Brasileira da República.
   Dizemos então que o período republicano da música popular brasileira começou no século XIX.

   Na manhã do dia 9 de novembro de 1889 (sete dias antes da Proclamação) o Comendador Carlos Monteiro e Sousa dirigiu-se ao paço para cumprimentar o Imperador e pedir uma audiência para mostrar o fonógrafo (aparelho inventado por Charles Cross e Thomas Alva Edison em 1877), equipamento este que daria um novo e assombroso impulso à nossa música popular.
   Mas quem foi este tal de Comendador Carlos Monteiro e Sousa?!
   De acordo com uma publicação no dia 2 deste mesmo mês e ano, Carlos M. S., além de homem inteligente e dotado de grande força de vontade,  era o agente de Thomas Alva Edison no Brasil. Deve-se também ao Carlos a introdução dos telefones no Estado do Pará.
D. Pedro II, 1876
   No Brasil, os primeiros a ter sua voz reproduzida foram o Visconde de Cavalcanti, o Conde de Villeneuve, o Sr. Sant'Ana Neri, o Dr. Charcot, Sra. Charcot, o Barão de Marajó, senador Pereira da Silva, Marechal Âncora, D. Pedro II, a Princesa Isabel e seu marido Conde d'Eu, e o Príncipe D. Pedro Augusto.
   Em 1959 o jornalista Brício de Abreu publicou um pormenor pitoresco (até então não revelado) acontecido no dia da audiência em que o fonógrafo foi apresentado a corte.

Princesa Isabel e Conde d'Eu,
 1919

   "O Sr. Conde d'Eu declarou achar a invenção muito boa mas tinha certeza de que o público não a adotaria pois acreditara que fosse artes do diabo ou almas do outro mundo".
   Dias após a Proclamação da República, Carlos Monteiro e Sousa expôs o fonógrafo à rua do Ouvidor, 133, reproduzindo discursos de diversos líderes republicanos.
 
 
Panorama da Música Popular Brasileira (Ary Vasconcelos)

terça-feira, 19 de março de 2013

Concentração e Memória

   Você se acha uma pessoa com pouca memória e sem concentração?
   Resolví postar esse texto pensando naqueles que se dedicam a aprender e a ensinar algo. Portanto, clareie sua mente com a leitura abaixo, e descubra um pouco mais sobre esses dois tópicos.
   Saiba que são vários os fatores que influenciam a qualidade e a intensidade da concentração, como: idade, a capacidade de concentração, as experiências anteriores, o seu grau de educação e cultura, as condições físicas, psicológicas, emocionais e ambientais.
   Para poder melhorar a concentração é necessário ter um objetivo ou uma motivação, além de paciência, persistência e disciplina. Mas é possível ter tudo isso sem precisar abrir mão da emoção, espontaneidade, identidade e prazer.
   Dos milhões de estímulos que atigem os órgãos sensoriais, pouquíssimos têm direito a um lugar na memória do homem. Um indivíduo é capaz de reter simultaneamente, após uma única exposição, seis ou sete informações.
   Um mecanismo, provavelmente muito complexo, escolhe quais informações ficarão retidas definitivamente na memória, enquanto as informações restantes permanecerão por um curto prazo e serão apagadas, uma após outra.
   São três os critérios que selecionam as informações a serem retidas pela memória a longo prazo:
   Retenção pelo foco: as informações retidas pelo foco mantém-se ativas na mente por um determinado tempo com a finalidade de serem comparadas e analisadas com dados já armazenados na mente.
   Retenção pela repetição: as informações são transmitidas dentro do sistema nervoso através de sinais que são passados de um neurônio a outro (sinapses). Cada pensamento é obtido através de ligações específicas entre determinados neurônios, formando vias ou circuitos. Se a mesma informação ocorrer repetidamente, essas ligações ficam permanentemente facilitadas. Desta forma, os impulsos seguintes passam por esses circuitos com maior facilidade, até chegar a um ponto em que qualquer impulso que tenha alguma relação com essa informação, possa ativar essas vias e as pessoas consigam lembrar assim dos dados fixados pela repetição.
   Retenção pelo grau de emoção proporcionado pela informação: quando uma informação provoca dor, prazer ou um sentimento intenso, o hipocampo (região responsável pelo armazenamento da memória) é fortemente estimulado, retendo desta forma a informação. Porém se a informação for algo habitualmente conhecida pela mente, o hipocampo não será estimulado.
 
    Tocando com Concentração e Emoção (Marcia Kazue Kodama)